quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Brasília, 3/02/2010 – Os 900 militares que vão reforçar o contingente do Batalhão Brasileiro Força de Paz no Haiti começam a embarcar na semana que vem. Segundo o Almirante Paulo Zuccaro, Subchefe de Comando e Controle do Estado-Maior de Defesa do Ministério da Defesa, desses 900 militares, 809 são do Exército Brasileiro (sendo 150 da polícia do Exército), 90 são Fuzileiros Navais e um oficial é da Força Aérea Brasileira. “A nossa intenção é colocar o novo contingente na máxima brevidade. Até porque, se não tivéssemos o compromisso de nos mobilizar rápido, não teríamos aprovação da ONU para o emprego desses militares”, explicou o Almirante Zuccaro que representa o Ministério da Defesa no gabinete de crise sobre o Haiti, coordenado pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República. Zuccaro participou na manhã desta quarta-feira de entrevista coletiva concedida pelo General Jorge Armando Félix, ministro-chefe do GSI. O Almirante explicou que os militares do Exército Brasileiro que irão para o Haiti virão de várias partes do país e não apenas de um comando de área, como costuma acontecer no rodízio normal do contingente brasileiro. E não necessariamente eles terão que ter servido no Haiti anteriormente. Segundo o Almirante, as Forças terão “liberdade” para definir a origem e o perfil dos militares. “Cada Força decidiu como organizar sua parte no novo contingente”, disse. O Almirante esclareceu que o Brasil fez um oferecimento inicial à ONU de 1.300 militares para reforçar o Batalhão Brasileiro. Esse número dobra a presença militar brasileira no Haiti. Mas a ONU aceitou, de imediato, o envio de 900 militares. O governo brasileiro decidiu se antecipar e solicitou ao Congresso o envio de 1.300 militares. Os 900 seguirão agora e os outros 400 ficarão de prontidão, e já com a autorização do Congresso, para embarcar caso a ONU necessite e requisite ao Brasil. Durante a entrevista, o General Félix informou que desde o dia 13, um dia após o terremoto que devastou o Haiti, até agora, a Força Aérea Brasileira já realizou 60 voos para aquele país. Foram transportadas 56 toneladas de água e 225 toneladas de medicamentos. Cerca de 1.000 pessoas também foram transportadas nos aviões da Força Aérea. O Almirante informou que já está funcionando o banco de dados com informações sobre as doações de alimentos, medicamentos e outros itens recebidos pelo governo brasileiro com destino ao Haiti. De acordo com ele, esse banco de dados está “hospedado” nos sistemas do Ministério da Defesa e pode ser consultado online pelo embaixador brasileiro no Haiti, Igor Kipman, e pelos outros órgãos do governo envolvidos na ajuda ao país, como o Ministério da Saúde, Defesa Civil, Ministério das Relações Exteriores e GSI. Do Haiti, o embaixador pode verificar, por exemplo, o estoque de alimentos disponível para embarque e apontar o quê deve ser embarcado de forma prioritária. O Almirante Zuccaro ressaltou que a Defesa Civil está aceitando e processando as doações de alimentos e água do setor público e de empresas privadas. O Ministério da Defesa estima que cerca de 1.000 toneladas de alimentos já foram doadas ao Haiti. Esse valor inclui os alimentos do estoque do governo que seguiram para o país, os que estão armazenados no Brasil aguardando o embarque e os que estão sendo despachados pelas unidades da Defesa Civil. “Tudo o que foi doado vai chegar ao Haiti. A nossa prioridade é enviar as doações no momento oportuno e fazê-las chegar com eficiência aos haitianos”, completou o Almirante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu