domingo, 31 de janeiro de 2010

Nota de falecimento – Roberto Graciani

Faleceu no dia 19 de outubro, em Belo Horizonte, aos 53 anos, o Sr. Roberto Rodrigues Graciani.

Roberto Graciani dedicou os seus últimos anos de vida no resgate da memória da Força Expedicionária Brasileira. Graciani foi o criador do website www.anvfeb.com.br, “A Nossa Vitoriosa Força Expedicionária Brasileira”, idealizado para homenagear aqueles que participaram do Teatro de Operações da Itália, seguramente a melhor e mais idônea fonte de consulta sobre a FEB na rede mundial de computadores.

Nele, Graciani noticiava todos os eventos relacionados à FEB, em especial a história pessoal dos heróis brasileiros que lutaram na II Guerra Mundial, além de fornecer uma preciosa orientação jurídica aos veteranos e a seus familiares.

Fosse pessoalmente, por telefone ou por e-mail, atendia a todos com fidalguia, mesmo desconhecidos, abrindo espaço em sua página aos familiares dos pracinhas interessados em divulgar as memórias da guerra dos seus pais e avós.

Graciani era uma das poucas vozes que se levantavam, indignadas, contra o quase completo abandono das Associações de Veteranos pelas instituições e governos. Ciente da importância da preservação da memória da FEB, hoje quase totalmente excluída dos livros escolares, preocupava-se com o rápido desaparecimento dos pracinhas e a consequente extinção da Associação de Veteranos em Belo Horizonte, lutando pela sua continuidade da Associação e do seu acervo, em prol das futuras gerações de brasileiros.

Hoje, em uma realidade marcada pelo individualismo e pelo materialismo, Roberto Graciani agia de forma ímpar, trabalhando sem qualquer tipo de remuneração pública ou privada, movido pelo patriotismo e o profundo respeito à memória do seu pai, o febiano Raul Graciani.

Se na mídia atual, o passado de glórias da Força Terrestre é costumeiramente esquecido, seu website apresentava a História Nacional como ela merece: sem revisionismos ou deturpações de caráter ideológico.

Graciani não era militar da ativa ou da reserva, mesmo assim, foi capaz de construir e manter, com esforço próprio, um exitoso veículo de mídia eletrônica que dignifica o glorioso passado do Exército Brasileiro. Algo que muitos outros, com recursos e poder superiores, não fazem.

Na contramão do politicamente correto, era uma dessas raras pessoas que aos invés de adular os poderosos, preferia estar sempre ao lado dos humildes pracinhas, não importando posto, graduação ou patamar social.

Sua atitude em divulgar as notícias sobre a FEB foram fundamentais para evitar a destruição, e posterior venda como sucata, do armamento utilizado pelos pracinhas na guerra, de incomensurável valor histórico, guardadas no Rio de Janeiro.

A constante divulgação da situação de penúria e do fechamento da Casa da FEB, ocorrida em 2008, também no Rio de Janeiro, acabou por mobilizar inúmeros historiadores e amigos. O resultado dessa ação acabou por chamar a atenção de uma empresa privada, sensibilizando empresários que patrocinaram a reforma e a reabertura das suas instalações.

Graciani dedicou boa parte de sua vida na preservação da memória do Brasil na II Guerra Mundial — o momento mais importante do Brasil, no cenário internacional, durante todo o século XX. Seu prematuro desaparecimento abre uma lacuna que dificilmente será preenchida. Sem o seu trabalho voluntário, a preservação da história da FEB perde um valoroso aliado.

Descanse em paz amigo! Que Deus o tenha! Que o seu exemplo de vida inspire outros brasileiros patriotas como você. Que as suas palavras de estímulo à preservação da memória nacional permaneçam eternas na alma daqueles que amam o Brasil.

Na imagem, Roberto Graciani e Cap Divaldo Medrado, na ocasião em que o primeiro recebeu da ANVFEB – Seção Regional de Belo Horizonte, o Diploma de Reconhecimento e a Medalha Jubileu de Ouro, pelos valorosos serviços prestados a esta Seção.
(26 de outubro de 2005).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu